FEVEREIRO

Tcha Limbergerhttps://tchalimberger.com

O multi-instrumentista virtuoso Tcha Limberger é cantor, violinista, guitarrista e contador das mais belas histórias do seu rico passado musical. Nascido na Bélgica, no seio de uma família de músicos de renome do Jazz Manouche, cresceu a ouvir o Gypsy Jazz de Django Reinhardt e ao longo dos anos colaborou com os seus principais intérpretes.

O repertório do multi-instrumentista invisual vai para além das músicas Manouche e Sinti. Tcha Limberg é o único músico da atualidade a preservar a herança dos seus antepassados de leste ao interpretar músicas tradicionais quase esquecidas do repertório Romani. Um sobredotado criativo de arrepiar que nos leva ao limite das emoções com canções húngaras, romenas, transilvânias, sérvias e gregas.

Em estreia absoluta em Portugal, Tcha Limberg confia toda a sua mestria nos internacionais músicos portugueses e conimbricenses, Nuno Marinho na guitarra e Miguel Falcão no contrabaixo. Dia 24 de Fevereiro na Mon(s)tra, no Conservatório de Música de Coimbra. E dia 25 de Fevereiro, a não perder, na Fábrica do Braço de Prata em Lisboa.

ABRIL

Manouchka é a prestigiada banda internacional em Portugal a tocar a música de Django Reinhardt. Marian Yanchyk (violino e voz), Nuno Marinho (guitarra solo), Sandro Ottaviani (guitarra ritmo) e Miguel Falcão (contrabaixo).

Em 2018 tocaram em Paris, França. Em 2019 foram figuras de cartaz do Festival Jazz Manouche Piracicaba em São Paulo, Brasil. Em 2021 inauguraram a primeira edição do Festival Django Portugal, o maior evento nacional dedicado ao Gypsy Jazz.

Já participaram em dezenas de Festivais, eventos e concertos em todo o país. Organizam regularmente jam sessions em vários pontos de Lisboa. Convidam e acolhem artistas nacionais e internacionais a fazerem parte dessas actuações ao longo de todo o ano, e empenham-se em promover a união e crescimento da nossa comunidade musical de norte a sul do país.

10 Abril – Teatro Municipal, Bragança

11 Abril – Porto

12 Abril – EmDireita, Viseu

13 Abril – Liquidambar, Coimbra

MAIO

Sébastien Giniaux Quartethttps://sebastienginiaux.com/

O francês Sébastien Giniaux é um dos guitarristas mais aclamados da nova geração de músicos inspirados em Django Reinhardt. Dono de uma criatividade e domínio técnico sem precedentes, Giniaux mistura diversos géneros musicais numa linguagem distintamente sua.

O guitarrista é um autêntico mestre do Gypsy Jazz, e vai buscar influências ao Jazz Americano, à Música Clássica, dos Balcãs, e da África Ocidental. De Ravel a Radiohead, de Nougaro a Chopin, até à música cigana romena ou aos coceks orientais da Macedónia, Sebastien Giniaux convida o ouvinte a entrar num mundo sonoro ímpar.

O multi-instrumentista é também virtuoso no violoncelo, e tem carreira como pintor, poeta e compositor. Sébastien Giniaux é o mais puro génio da música e das artes dos tempos modernos.

Reconhecido pela crítica especializada como “um dos melhores jovens guitarristas de Gypsy Jazz do mundo” é figura incontornável nos mais prestigiados Festivais do género. Partilha frequentemente o palco com as maiores lendas vivas históricas e actuais, não só do Jazz Manouche e Sinti, como da música em geral.

Marcia Bamberg Swing Quartetwww.marciabamberg.nl

A cantora neerlandesa Marcia Bamberg interpreta apaixonadamente as mais belas canções do repertório Gypsy Jazz, em língua francesa e inglesa. Vamos poder ver e ouvir, ao vivo, La Vie En Rose, Cheek To Cheek, Soul Le Ciel de Paris, Menilmontant e tantas outras melodias da Era Dourada do Jazz Europeu e Americano.

Acompanhada por John Ligthart e Ronald Weel na guitarra e Daniël Gueli no contrabaixo, o Quarteto de Marcia Bamberg conta com virtuosos solistas que misturam repertório da Musette francesa com o Jazz da Swing Era Americana.

Marcia Bamberg Swing Quartet é um regresso às origens vocais da música de Django Reinhardt. Destinado a um público tão apreciador dos poemas líricos dos Anos 20 como do virtuosismo instrumental dos Anos 40, embarcamos numa viagem alegre e romântica até um terraço ensolarado parisiense que nos faz dar um passinho de dança.

Remi Harris Triohttps://www.remiharris.com/

O britânico Remi Harris é um guitarrista eclético com influências no Jazz, Gypys Jazz, Blues e Rock. A sua forma forma electrizante de tocar inspira-se em artistas como Django Reinhardt, Peter Green, Wes Montgomery, Led Zeppelin, Gerry Mulligan e Jimi Hendrix.

Desde os sete anos Remi dedica a sua vida a tocar guitarra, embora se possa dizer que a Música o escolheu muito antes, quando a sua mãe lhe deu o nome pela combinação da 2ª e 3ª nota da escala maior “Do-Re-Mi”.

O talento inegável de Remi fê-lo sair das ruas da cidade para apresentações em muitos locais e eventos de prestígio ao redor do mundo, incluindo o Palácio de Buckingham, Festival de Jazz de Montreal, BBC Proms no Royal Albert Hall com Jamie Cullum, e a aparecer na rádio e televisão nacional.

Remi Harris é um dos músicos mais versáteis e virtuosos da história. Com rasgos de genialidade, é capaz de tocar diferentes tipos de guitarra e ser fiel a inúmeros estilos de música. Um artista que se encaixa numa categoria à parte, sem precedentes e sem comparações.

“Que guitarrista incrível! Estou impressionado com seu talento… Ele é um músico absolutamente extraordinário.”
Jamie Cullum, BBC Rádio 2

“Um músico surpreendente.”
Cerys Matthews, BBC Radio 2 e BBC 6 Música

“A sua forma de tocar guitarra é espetacular.”
Peter Frampton

“Remi é um músico fenomenal, tanto no Gypsy Jazz como no Blues. Ele é um verdadeiro mestre em ambos os géneros. Os seus concertos ao vivo deixam o público totalmente hipnotizado com a sua arte, virtuosismo, musicalidade e profunda paixão pela música.”
Martin Taylor MBE

“Um guitarrista tremendamente talentoso.”
John Etheridge

“Brilhante!”
Clive Carrol

MAIO

Djangoland (Coimbra)

Quinteto vocal que se dedica ao Jazz Manouche, recriando ambientes da Chanson Française e dos salões musicais de Paris dos Anos 20.

Cottas Club (Leiria)

Septeto de Dixieland que recria as sonoridades do Jazz de New Orleans, e de Louis Armstrong & All Stars que se ouviam dos Anos 20 aos Anos 50 no famoso bar de Nova York, Cotton Club.

Stonebones & Bad Spaghetti (Lisboa)

Única banda portuguesa de bluegrass, música tradicional oriunda dos Estados Unidos da América, nomeadamente do Kentucky, Geórgia e Tennessee.

Manouchka (Lisboa e convidados do Porto, Algarve, Brasil e Japão)

A mais prestigiada banda internacional em Portugal a tocar a música de Django Reinhardt. Convidam regularmente músicos nacionais e internacionais para os seus concertos ao vivo.

MAIO

Contacto, Inscrições e Reservas

Assunto

5 + 8 =

Faltam...

Day(s)

:

Hour(s)

:

Minute(s)

:

Second(s)

Testemunhos

It’s been a fantastic holiday. Lots of great sightseeing, but what has made it so special is meeting good friends and sharing good music.

David (País de Gales)

Testemunhos

Tive a oportunidade e o privilégio de assistir à enorme qualidade da organização do Festival Django Portugal, e dos concertos em cartaz. Os músicos são realmente virtuosos e parecem saídos de outro mundo.

Rui

Testemunhos

Lindo festival organizado com amor e dedicação! Estou muito grata por ver como o Nuno Marinho e a equipe fazem com que todos se sintam em casa. E adoro que seja um evento bem internacional com músicos talentosissimos de diferentes partes do mundo!

Amanda (Brasil)

Testemunhos

Festival incrível, com concertos únicos, uma sonoridade extraordinária, repletos de magia e sensações maravilhosas, um ambiente fabuloso e uma energia contagiante entre músicos soberbos, e destes para com o público. E tudo isto se percebe quando nos emocionamos a ouvi-los tocar.

Alexandra

Testemunhos

Recebi com imensa alegria a notícia do Festival Django Portugal. Como apreciador de Gypsy Jazz há muitos anos, sempre senti que estilo estava pouco difundido no nosso país. O Festival trouxe ao nosso país artistas de renome no panorama internacional, e teve também a audácia de não o fazer apenas em Lisboa.

José

Testemunhos

I can’t say enough about Nuno and everyone at Festival Django Portugal! Everything from the venues and its incredibly attentive and educated audiences, to everyone involved in the hospitality, was absolutely top!

Dario (Itália)

Testemunhos

Adorei o concerto. Grandes (enormes!) músicos, excelente ambiente. Continuem o vosso trabalho fantástico!!!

Fernanda

Testemunhos

Nem tenho palavras para descrever os concertos! Foram seguramente dos melhores que tive oportunidade de assistir. Todos os músicos em palco foram excelentes, e a qualidade do som estava ótima.

David

Testemunhos

Foi um prazer trabalhar junto com o Festival Django Portugal. Realmente dá muito gosto ver algo quando é feito com amor e dedicação!

Soraia

Testemunhos

This Festival is the best chance to see in Portugal – LIVE – some of the best Gypsy Jazz players in the world.

Ricardo

Testemunhos

Wow. What an experience, what an amazing festival, and so thoughtfully put together. The vibe was super nice, and the performers were astonishing. Can’t wait for next year!

Annelies (Países Baixos)

Testemunhos

Great workshop with Wawau Adler, followed by an excellent concert.

Bill (EUA)

Testemunhos

Great workshop with Wawau Adler, followed by an excellent concert.

Bill (EUA)

Testemunhos

Destaco a qualidade dos músicos, o bom ambiente e o acolhimento no festival Django Portugal. Músicos notáveis, com sonoridades surpreendentes. O trabalho em torno deste festival representa um bonito percurso na divulgação do jazz manouche em Portugal.

Manuela

Testemunhos

Foi uma noite memorável e épica do Festival Django Portugal no auditório Auditório Orlando Ribeiro.

Tiago

Testemunhos

Pouco conhecia do estilo Gypsy Jazz mas depois de assistir a 3 dos concertos do Festival em Lisboa rendi-me completamente! Foram absolutamente fabulosos! Músicos soberbos e uma organização cuidada, em que se nota bem o prazer e a dedicação no que fazem.

Joana

Testemunhos

Que concertos fabulosos! O Nuno Marinho conseguiu trazer cá músicos de exceção que vão alargar de certeza o leque de pessoas interessadas no Gipsy Jazz em Portugal.

Rui

Testemunhos

Fui, pela primeira vez, ao Festival Django Portugal e para min, que não percebo nada disto, foi-me evidente que a qualidade musical e técnica dos músicos é verdadeiramente distinta.

Manuela